Tags

passagens

Viagem de avião com bebê: algumas dicas

Nos últimos posts dei dicas gerais a partir da minha experiência de viagem com bebê e também outras para você se planejar bem na hora de sair pelo mundo com seu filhote embaixo do braço. Agora vou listar algumas dicas que acho fundamentais para quem vai embarcar numa viagem de avião com bebê.

Viagem de avião com bebê: 12 dicas

  1. Documentos: como já falei no post anterior, você precisa saber que tipo de documentos sua viagem exige – visto, passaporte, vacinas… Para bebês viajarem de avião dentro do Brasil é preciso ter a certidão de nascimento original, caso não tenha RG ainda. Se for fazer uma viagem internacional, será preciso uma identidade ou um passaporte, já que é exigido um documento com foto. Como fomos para a Colômbia, só tiramos mesmo o RG de Theo, pois o país não exige passaporte. Se o bebê for viajar só com um dos pais, é preciso uma autorização do outro com assinatura reconhecida em cartório.
  2. Chegue cedo no aeroporto! Eu achei que por estar com um bebê a gente ficaria numa fila preferencial, que seria mais rápida. Ah, que engano! Na ansiedade, chegamos no aeroporto duas horas antes do voo e foi a sorte (voo nacional)! Precisamos entrar numa fila de check-in prioritário (esse não pode ser feito na máquina por estar com um passageiro de necessidades especiais) que estava enorme! Além disso, é importante chegar cedinho para garantir lugar na primeira fila do avião. No dia do voo internacional chegamos com mais de três horas de antecedência e fizemos tudo tranquilamente.viagemdeaviaocombebe_1
  3. Franquia de bagagem: presta atenção que essa informação é mega importante! Numa viagem de avião com bebê nacional, pelo menos pela Gol, ele não tem direito à bagagem. Pois é, ele não paga como um passageiro, portanto não tem direito. Ou seja, sua mala precisa ser bem objetiva. Imagina que o bebê é quem mais leva coisa, a mala dele não tem como ser muito pequena. Você vai ter que tirar umas coisitas da sua, pois o peso será dividido com ele – a menos que você não se importe em pagar um excesso de bagagem. Eu estava morrendo de medo de passar, mas conseguimos ficar no limite do peso máximo para nós três. Ainda bem!
  4. Carrinho de bebê: já falei no post anterior e vou repetir: é fundamental ter um bom carrinho de bebê numa viagem. Ele deve ser prático para abrir e fechar pois você vai ter que fazer isso várias vezes ao longo da jornada. E se o carrinho for de um modelo mais leve e fácil de manusear, ele vai até a porta do avião. Você não precisa despachar com as malas e ele não conta como um item a mais – ufa! Isso é maravilhoso porque você não tem que carregar no colo o bebê até a hora do voo. Quando sair do avião, ainda na porta, eles te entregam de volta o carrinho. Mas veja direitinho as regras da cia que for viajar e se o do seu bebê se encaixa nas especificações. Theo tinha um grandão e pesado e, para viajar, compramos o Chicco Liteway (tipo guarda-chuva) que foi nossa salvação!viagem-de-aviao-com-bebe-4
  5. Dor de ouvido: para evitar que o bebê tenha dor de ouvido na subida e descida, a dica é simples: dê a ele o peito, mamadeira ou chupeta, se for o caso. Theo mamou sempre nessas horas e foi super tranquilo, não tivemos problema quanto a isso.
  6. Cinto de segurança: nem sempre em viagem de avião com bebê existe o cinto de segurança para ele. Nos voos da Gol, perguntei à aeromoça se não teria um para Theo e ela informou que não, era só segurar forte e deixá-lo sempre no colo. Já na Avianca, eles te dão um cinto especial que você prende ao seu e coloca no bebê. Claro que não consegui deixar Theo o tempo todo preso ao cinto, até porque ele queria ficar brincando e vez por outra andamos com ele no avião, mas sempre nos momentos de uso obrigatório eu dava um jeito de prender ele comigo.
  7. Alimentação do bebê: nos voos da Avianca (internacionais) eles nos deram papinhas prontas industrializadas para bebê, mesmo sem a gente ter solicitado. Eu havia lido que era necessário pedir, mas lá nos serviram. De qualquer forma, se for o caso de você querer, melhor garantir e solicitar com antecedência. Mas você pode levar a comidinha dele sem problemas a bordo. Eu sempre andava com a frutinha de Theo (ele ainda só mamava e comia as frutas) e não tive problemaviagem-de-aviao-com-bebe-5
  8. Berço: algumas aeronaves têm a opção de colocar um berço, em algumas fileiras específicas. Ele fica acoplado na parede em frente às poltronas. Nos voos da Avianca de ida para Bogotá e volta para São Paulo eles botaram, mas Theo – agitado demais – deu escândalo e não ficou de jeito nenhum. Mas se seu bebê for mais quietinho e dormir no voo, é uma boa opção. Você deve pedir no check-in. Mas lembrando que não são todos os aviões que têm essa opção.
  9. Roupa do bebê: no avião normalmente faz um friozinho, então é bom o bebê usar uma roupa quentinha, mas confortável. Lembre-se de que provavelmente você vai precisar trocá-lo no avião e isso é uma tarefa um tanto difícil naquele banheirinho, então nada de botar uma roupa complicada no bebê. Theo usou um macacão que tinha abertura embaixo e foi bem prático. Quando achei que estava muito frio, coloquei um casaquinho . É melhor do que colocar calça e blusa porque às vezes a blusa fica subindo e a barriguinha pode ficar de fora. Acho que um body ou macacão de malha são opções confortáveis e práticas.viagem-de-aviao-com-bebe-3
  10. Entretenimento: minha gente, é fundamental ter alguma coisa para entreter numa viagem de avião com bebê, ainda mais se o voo for muito longo como no nosso caso. Levamos alguns brinquedinhos dele na bolsa de mão e no celular tinha um app de vídeos, que baixamos antes de viajar – mas acabamos nem usando.
  11. Mala de mão: não esqueça nada da mala de mão do bebê. Ela deve ter tudo de mais importante à mão, não só para você usar durante o voo, mas também em caso de a bagagem dele ser extraviada. Já pensou!? Então roupinhas extras, remédios, fralda, pomada, lenço umedecido, itens de alimentação, mantinha pro avião… Ah! Um álcool em gel é bem-vindo, ainda mais em tempos de H1N1, como foi quando viajamos.
  12. Filas preferenciais: lembre-se que você está com um bebê de colo, então pode ir para as filas preferenciais no aeroporto. A da imigração, por exemplo, estava gigantesca e a gente não demorou nadinha porque estávamos com Theo e, claro, ele era prioridade. Não dê bobeira.

Bom, essas foram as minhas dicas de acordo com a nossa experiência de viagem de avião com bebê. Espero que possa ajudar você a se preparar melhor e viajar bem muito com seu baby por aí. 😉